sexta-feira, 10 de julho de 2009

Poesia de Missões


MISSÕES

Palavra com sete letras,
Cada uma com sua função:
Separadas parecem mortas,
Umas redondas outras tortas,
Quando unidas pedem reflexão.

O “Eme” representa milhares,
O “I” significa indo para o inferno;
Os “Esses” sibilando nos ares,
O “O” omitindo aqui e além mares
O “E”, esperando o amor eterno.

Missões desta forma definida,
A família evangélica deve abraçar
Jesus, o Mestre já deu sua vida,
Do pecador curando a ferida,
Justo motivo para o Evangelho pregar.

Vendo pessoas de nós tão perto,
Conhecimento se toma facilmente,
Tanto no sábio, como falto de intelecto,
Que o futuro obscuro e incerto,
Os milhares chamam a cada instante.

“Levante os olhos” como disse o Senhor,
Em profusão ainda vemos quem nos rodeia,
Pela fé vencemos água, mata e o perseguidor.
Sofrendo intempéries, cansaço, medo e dor,
Sem titubear, pois é Jesus quem nos norteia.

Buscar e salvar o mundo perdido,
Eis a razão da vinda do Filho de Deus;
Demonstrando o amor grande e profundo.
Pelo Pai foi desamparado neste mundo,
Ao tomar a cruz, abandonado pelos seus.

Ao aproximar-se o último momento,
Agonias na sua cruz de vergonha e dor,
Entregando na mão do Pai seu espírito,
A contemplá-lo, um mundo frustrado,
Satisfez assim a justiça do Pai Criador.

Sepultado em túmulo de misericórdia,
Com duração de três dias somente.
Deixando na tumba o lençol que o cobria,
Encontrando a chorar sua seguidora Maria,
Disse: “Não chore, estou com vocês novamente”.

Ao mostrar-se vivo àqueles que o seguiam,
Antes de se apresentar ao Pai celestial,
Apareceu a muitos por quem Ele vivia,
Disse: “Eis que convosco estou até aquele dia,
Ide e fazei discípulos dos povos até o final”.

in Revista Confins da Terra, ano 42, número 136Publicação da Missão Novas Tribos do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário